Oportunidade: vendam suas agências para empresas de consultoria

Agências e Consultorias Em artigo recente, publicado pela célebre Advertising Age, um dos manda chuvas da Accenture nos Estados Unidos pergunta se as empresas de consultoria não serão as agências de propaganda do futuro. Talvez. Se forem, no entanto, não é que as consultorias tenham passado a ser as agências do futuro. Elas continuarão sendo isso - agências. Apenas em outro formato. Se isso acontecer, bem feito para as agências do presente, que por preguiça, incompetência, falta de senso de realidade, comodismo, seja o que for, não perceberam que o mercado se conscientizou de que a chamada comunicação de marketing exige mais do que o cardápio de perfumaria que elas, agências do presente, costumam oferecer aos seus clientes, necessitados de menos incenso e de mais de conteúdo adulto, relevante; mais de suor capaz de levar a uma inspiração objetiva, voltada para resultados concretos e não apenas e simplesmente a soluções “surpreendentes”, “impactantes”, “diferentes”. Outra coisa: não se trata de ser digital ou analógico. As pessoas continuarão sendo pessoas, continuarão sendo ora digitais, ora analógicas. Continuarão tendo que respirar, comer, dormir, fazer xixi. Se as informações que recebem chegarem em papel ou vierem da nuvem, pouco importa. Os marqueteiros, publicitários e afins podem continuar criando nomes novos para coisas velhas (e nisso eles são inigualáveis), mas há coisas que não mudam. Imagem era, é e continuará sendo a soma de percepções. O que o distinto consumidor pensa a respeito desta ou daquela marca, continuará sendo a soma do que vê ou ouve no celular, na gôndola do supermercado, na traseira de um ônibus, no anúncio de TV, jornal, revista, seja onde for. As agências do presente têm hoje, uma excelente oportunidade de negócio: vendam as suas empresas às consultorias. Enquanto isso os executivos das consultorias continuarão tripudiando e perguntando, como perguntou o mandachuva da Accenture em seu artigo: “What makes consultants better “brand custodians” than advertising and brand agencies? ”